Home Escola da vida - 1º Temporada Pílulas para a alma (2)

Pílulas para a alma (2)

2 min leitura
0
0
102

 Luiz Flávio Gomes

Helen Keller (1880-1968), que era cega, surda e muda, foi uma escritora norte-americana de renome, além de conferencista e ativista social das mais combatentes. Foi a primeira pessoa surda a se formar numa faculdade de artes. Sua professora (Anne Sullivan) foi a grande responsável pelo seu sucesso, tendo conseguido romper o isolamento a que a natureza lhe havia imposto.  Helen tornou-se um símbolo de superação, uma filósofa e conferencista de grande reputação. Trabalhou ardorosamente em favor das pessoas portadoras de deficiência. Keller viajou muito, fez centenas de conferências e expressava de forma contundente suas convicções. Participou das campanhas pelo voto feminino assim como pelos direitos trabalhistas. Num determinado dia alguém lhe perguntou se havia algo pior que ser cego. Ela disse: “Sim, pior que ser cego é poder ver e não ter uma visão sobre a vida, sobre o futuro ou sobre o mundo”. Não há como não encarar a vida com o entusiasmo dos vencedores. Isso é extremamente desafiante, sobretudo para os que estão em situação difícil (triste, depressivo, desempregado, enfermo, inseguro), mas foi essa forma de encarar o mundo que permitiu a superação de Helen Keller, que tinha tudo para não ser nada, tendo transformado o nada no tudo que ela foi. Avante!

Veja Também

O “ser” e o “ter”

A cultura contemporânea desenfreadamente dá muito mais valor para o “ter” que para o “ser”…