Home Escola da vida - 1º Temporada O “ser” e o “ter”

O “ser” e o “ter”

1 min leitura
2
0
375

A cultura contemporânea desenfreadamente dá muito mais valor para o “ter” que para o “ser”. Desde a mais tenra idade somos treinados para a competição, para ter dinheiro, ter posses… O que esquecemos, muitas vezes, é de nos preparar para “ser”, para saber mais, para conhecer melhor nós mesmos assim como as pessoas e o mundo que nos cercam. Estamos esquecendo que nos valorizar mais como seres humanos e como seres sociais. Dalai Lama (citado por Susanne Andrade, O segredo do sucesso é ser humano: 32) afirmou: “Abra seus braços para as mudanças, mas não abra mão de seus valores”. Muitas pessoas estão transigindo com seus valores para poder conquistar mais bens, mais patrimônio, mais cargos. Seja na vida particular, seja na vida profissional, a cultura contemporânea tem levado as pessoas a de comportarem como robôs. E elas esquecem que os bens materiais se acabam. E que a única coisa perene é o quanto nós somos como humanos. Avante!

  • Lipe.·.

    Ótimo. O ápice da inteligência humana (e do saber viver) está na própria auto-iluminação.

  • Paulo Garcia

    Não vejo problema em ter, mas se o preço é transigir
    com seu valores, aí é mostrar-se pequeno.

Veja Também

Nós somos o animal que mais sabe fazer ferramentas

Benjamin Franklin (1706-1790), citado por M. S. Cortella, Pensar bem nos faz bem!: 22, diz…